Animais Sinantrópicos: Morcegos

ANIMAIS SINANTRÓPICOS: MORCEGOS

Define-se animais sinantrópicos como aqueles adaptados a viver em ambiente antropizado, ou seja, junto ao homem, a despeito da vontade deste ¹. São considerados animais sinantrópicos: Ratos, Abelhas, Aranhas, Baratas, Camundongos, Carrapato, Cupins, Escorpiões, Formigas, Lacraias, Lesmas, Morcegos, Moscas, Mosquitos, Percevejos, Pombos, Pulgas, Ratos, Taturanas, Traças, Vespas (marimbondos).

A UFSC possui uma Ata de contratação de serviços de  desinsetização, dedetização, desratização, descupinização, desalojamento de pombos e morcegos e outros meios de controle de sinantrópicos (contrato 262/2016) que pode ser utilizada quando esses animais estiverem oferecendo algum tipo de risco à saúde da comunidade acadêmica. Para mais informações clique aqui.

Os morcegos são polinizadores importantíssimos. São os únicos mamíferos² que apresentam a capacidade de voar, possuindo hábitos noturnos e apresentam várias fontes de alimentação, de acordo com a espécie. Assim, existem os que se alimentam³ de frutos (frugívoros), de néctar e pólen das flores (nectarívoros), de insetos (insetívoros), de pequenos vertebrados (carnívoros) e sangue (hematófagos). Os morcegos mais comuns em áreas urbanas em sua maioria possuem dieta insetívora, frugívora ou nectarívora, não oferecendo risco de ataques diretos ao homem. Contudo, sabe-se que sua saliva e fezes podem transmitir doenças ao homem como a raiva e infecções respiratórias, portanto deve-se evitar qualquer tipo de contato com qualquer espécie de morcego.

Medidas para se evitar a entrada e alojamento de morcegos nos edifícios são vedar juntas, espaços existentes entre telhas e paredes e colocar telas. Para mitigar a presença de morcegos em áreas externas pode-se podar galhos de árvores, evitar deixar frutas jogadas e aumentar a iluminação dos locais. Mas é importante salientar que as árvores são o habitat natural dos morcegos e que eles podem ocupar os edifícios caso este ambiente esteja prejudicado.

Em caso de qualquer tipo de contato humano direto com estes animais, deve-se procurar o serviço médico de maneira mais urgente possível. Reforçamos que é de responsabilidade do município o controle destes animais, mas que seu manejo, afugentamento e controle deve ser feito por pessoa legalmente autorizada pelo órgão ambiental responsável e que qualquer ação fora deste escopo pode ser caracterizado como crime ambiental, punível em lei (Lei municipal4 nº 94/2001 Art. 21 e Art. 33; Lei5 nº 12.854/2003 Art. 2º e Art. 5º; Decreto624.645/34; Lei7 nº 9.605/1998 Art 2. e Art 3.; Lei8 nº 9.643/2014; Lei9 nº 5.197/ 1967  e IN10 IBAMA Nº  109/ 2006).

Referências:
¹ https://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/saude/vigilancia_em_saude/controle_de_zoonoses/animais_sinantropicos/index.php?p=4378
² http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/biodiversidade/fauna-brasileira/livro-vermelho/volumeII/Mamiferos.pdf
³ http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/biodiversidade/fauna-brasileira/livro-vermelho/volumeII/Mamiferos.pdf
4  https://leismunicipais.com.br/a/sc/f/florianopolis/lei-complementar/2001/9/94/lei-complementar-n-94-2001-dispoe-sobre-o-controle-e-protecao-de-populacoes-animais-bem-como-a-prevencao-de-zoonoses-no-municipio-de-florianopolis-e-da-outras-providencias
http://leis.alesc.sc.gov.br/html/2003/12854_2003_Lei.html
http://arcabrasil.org.br/index.php/decreto-lei-n-24-645/
http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=320
https://leismunicipais.com.br/a/sc/f/florianopolis/lei-ordinaria/2014/964/9643/lei-ordinaria-n-9643-2014-dispoe-sobre-a-proibicao-da-pratica-de-maus-tratos-e-crueldade-contra-animais-no-municipio-de-florianopolis-e-da-outras-providencias
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5197.htm
10 https://www.ibama.gov.br/sophia/cnia/legislacao/IBAMA/IN0109-030806.PDF